segunda-feira, 18 de maio de 2015

TECNOLOGIA MBR NO TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS: PORQUE NÃO BASTA SÓ PRODUZIR.

(Texto enviando pelo(a) Representante Beta EQ, Natali Tajes)

Porque tratamos efluentes? Para atendermos a legislação. Soa despreocupado? Sim, mas é a realidade.


O que mais se vê é a instalação de indústrias e fábricas no meio urbano. Essa avalanche de resíduos industriais vem trazendo muitos problemas para o meio ambiente desde então.

O lançamento de efluentes não tratados em ecossistemas aquáticos causam graves desequilíbrios para a população aquática, os poluentes químicos são tóxicos e podem se acumular no organismo de plantas e animais. As chamadas “águas de caldeira” causam poluição térmica, pois, se lançada sem tratamento nos mananciais, eleva a temperatura da água, aumentando a solubilidade dos gases e diminui a concentração do oxigênio necessário para a vida na água. Esses efluentes sem tratamento prejudicam, também, a saúde da população de uma determinada região, pois o efluente pode provocar contaminação por metais pesados, acarretando tumores, rinites, alterações neurológicas, e problemas na pele (dermatoses). Isso tudo sem falar nos efluentes gasosos que são os causadores do efeito estufa, das chuvas ácidas e da destruição da camada de ozônio, gerando o famoso Aquecimento Global, responsável pelos desequilíbrios climáticos.

Portanto, com a quantidade de efluentes sendo gerados pelas indústrias, a busca por tratamentos mais eficazes, mais baratos e mais rápidos, tem sido grande. Esses tratamentos podem ser preliminar, físicos, químicos e/ou biológicos. Então é só depois de ter passado pelos tratamentos preliminar, químico e físico é que o entra MBR.

MBR é a sigla, em inglês, de Membrane BioReactor (que significa Biorreatores com Membranas), é a tecnologia mais avançada em tratamento de efluentes, com alta eficiência e diversas aplicações. É um sistema onde membranas microporosas fazem um sistema de ultrafiltração, sendo, essas membranas, acopladas a um biorreator aeróbio. Pode-se trabalhar com concentrações de sólidos maiores que os sistemas biológicos comuns. O material a ser tratado deve ter baixo índice de carga orgânica e ser biodegradável. É um processo biológico completo, onde as membranas de ultrafiltração atuam diretamente no processo de degradação da matéria orgânica. Trata-se de um filtro que deixa passar através dela somente compostos com baixo peso molecular, não permitindo a entrada de sólidos maiores e patogênicos, são ligadas a um reator biológico aeróbio.

A MBR vem sido aplicada, também para o pré- tratamento da água do mar, além de substituir decantadores e difusores nas etapas de tratamento de efluentes. A limpeza é feita através de uma retrolavagem, onde é aplicado ar comprimido.

Tem como vantagens, a alta qualidade do efluente depois de tratado, economia de espaço e energia, a remoção de patogênicos é feita sem adição de produtos químicos, redução nos gastos da ETE (estação de tratamento de efluentes), é um processo mais estável, seguro e simples.

Aqui vai um vídeo (em inglês) explicando o funcionamento de uma MBR.


Referências:
http://agetec.com.br
http://www.meiofiltrante.com.br
http://creasp.org.br
http://www.tratabrasil.org.br
http://www.teraambiental.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário