segunda-feira, 25 de maio de 2015

INDÚSTRIA DO SUCO DE LARANJA CONCENTRADO – HISTÓRIA, MERCADO E PRODUÇÃO.

(Texto enviado pelo Representante Beta EQ João Werdan)

O nosso curso explora os processos que mais são utilizados na indústria, como destilação, secagem, craqueamento, entre outras. Ou seja, nós não necessariamente aprendemos o processo de um produto, mas sim operações unitárias que com as suas inúmeras combinações formam os diferentes produtos. Nesse texto explorarei a formação de um específico produto e seus respectivos subprodutos: o suco de laranja concentrado, que 98% é exportado, e os óleos de alto valor agregado resultantes do processo.

Primeiramente, o FCOJ (Frozen Concentrated Orange Juice) não é suco de caixa encontrado no mercado. Depois de diluído, o suco de laranja não tem um sabor e aroma muito parecido com o que estamos acostumados e, portanto, um dos motivos da não comercialização do produto no país é justamente por conta da pouca aceitação do nosso mercado. Entretanto, em países como EUA, Japão e países da Europa esse produto é amplamente consumido. Há, no entanto, uma diferença entre o consumo do brasileiro e dos demais países: aqui consumimos majoritariamente pelo sabor que o suco possuiu ao passo que em outros países o consumo tem como principal motivo os benefícios para a saúde.

Os EUA sempre foram os maiores produtores do FCOJ, no entanto, nos anos 80 o Brasil tornou-se absoluto na produção da fruta e do suco. Geadas sucessivas na Flórida em 1981, 1983, 1985 e 1989 castigaram a produção norte- americana. Os impactos na produção dos Estados Unidos garantiram a expansão da indústria brasileira. Em 2006 o preço do suco de laranja no mercado internacional atingiu patamares recordes e em 2010 mais de 50% de todo o suco de laranja consumido no planeta saiu do Brasil. Desde então essas estatísticas não sofreram grandes mudanças. O preço do produto segue bem a lei da oferta e procura e como o produto possuir validade de 2 anos, se mantido congelado, os grandes produtos possuem força para controlar a oferta de produto no mercado. As quatro empresas, Citrosuco, Citrovita, Sucocítrico Cutrale e Louis Dreyfus Commodities são responsáveis por mais de 90% do suco produzido e exportado pelo país.

O FCOJ é obtido por um processo em grande escala e, além do suco, há alguns componentes do fruto, que não sendo utilizados na produção, são aproveitados pela indústria: os subprodutos. O engenheiro químico que for trabalhar nessa indústria precisa, obviamente, conhecer o processo nos seus inúmeros detalhes, mas de qualquer forma é muito interessante que nós conheçamos o processo como um todo se formos se candidatar para essa indústria ou alguma com o produto parecido. Esse resumo foi inspirado

A seguir será feito um resumo do processo inspirado no processo de uma das plantas da Louis Dreyfus Commodities em que um Engenheiro Químico era responsável pela produção um da Engenharia de Alimentos era supervisor. Entretanto, isso que não quer dizer que não poderia ser o contrário. O Engenheiro Químico estava somente há mais tempo na empresa.
Segue, portanto, o resumo da produção dos produtos comerciais dessa indústria.

FCOJ

Após a colheita, a laranja é transportada para a indústria através de caminhões, dos quais amostras de frutos são retiradas para análise. Em seguida, os frutos são armazenados em silos de estocagem. Os frutos são lavados a na sequência são enviados às linhas de extração adequadas de acordo com seu tamanho, a fim de conseguir um melhor rendimento na extração do suco. O suco extraído é conduzido a uma prensa contínua, denominada finisher, onde os componentes sólidos da laranja, como polpa, bagaço, casca e sementes, são removidos. A corrente residual que sai do finisher, composto principalmente por polpa, é lavada com água para recuperar o suco junto a polpa, e retorna a linha de produção, no tanque pulmão, através de uma corrente denominada pulp-wash. Logo após, o suco é encaminhado para as centrífugas, nas quais ocorre a eliminação das menores partículas sólidas que ainda não foram retidas. Então, o suco passa por um processo de pasteurização, que inativa os microrganismos responsáveis pela degradação do líquido, e segue para evaporadores através de aquecimento a vácuo, ou seja, a pressão menor que 1 atm, até que se torne um produto concentrado com 65°Brix.

O suco concentrado é resfriado e passa por um processo de mistura e homogeneização para dar ao produto aparência e sabor ideal para a exportação. Nesta etapa são adicionados os óleos essenciais artificiais escolhidos pelo cliente ou acrescentado a essência retirada nos evaporadores a fim de restaurar o aroma do suco. Finalmente, o suco concentrado é refrigerado á temperatura de congelamento e segue para tanques de armazenamento onde pode ser estocado por um período de até dois anos, ficando armazenado até o transporte por caminhões-tanque para o porto. Em média, o rendimento da indústria do FCOJ é em torno de 7%. Ou seja, a massa de suco concentrado dividido pela massa de laranja no início do processo.

Óleo Essencial

Durante o processo de extração do suco de laranja, as bolsas presentes na casca, que contém o óleo essencial, são rompidas e o óleo liberado é separado do suco através da água pulverizada nos copos de extração da fruta. A emulsão de óleo e água é filtrada, centrifugada e o óleo é acondicionado em tambores e armazenado em câmaras refrigeradas, sendo que no resfriamento ocorre a separação da cera indesejável, que é descartada e o óleo límpido acondicionado em tambores.
O óleo essencial de laranja é amplamente utilizado na produção de alimentos, fármacos e cosméticos.

D’limoneno
O D’limoneno é obtido durante a produção do óleo essencial, na qual ele é recuperado por destilação da corrente residual das centrifugas de purificação do óleo essencial, segue para um decantador e é envasado em tambores metálicos.

O composto é obtido na forma líquida, incolor e é utilizado nas indústrias de solventes biodegradáveis, borracha, pigmentos, tintas e na fabricação de resinas sintéticas e adesivos. Além disso, é empregado pela indústria farmacêutica e alimentícia como componente aromático e para conferir sabor.

Essência da Laranja
As essências são volatilizadas na concentração do suco de laranja e recuperadas por meio do processo de condensação do vapor, contendo água em sua maioria, destilação desse líquido e condensação do vapor do topo contendo óleo em sua maioria, e decantação da mistura óleo e água para obter a essência pura.

Em muitas indústrias, essa essência volta ao suco de laranja concentrado na homogeneização; entretanto, por seu alto valor agregado é mais vantajoso vende-lo e oferecer para o suco concentrado de laranja diversos aromas artificiais para que o cliente possa escolher qual mais lhe agrada.

Bagaço

O bagaço é oriundo do processo de extração do suco da laranja, o qual compreende aproximadamente 50% do total da fruta, e pode ser usado na alimentação animal. As diferenças nos processos de desidratação, fontes e variedades das frutas e o tipo de operação pelo qual o resíduo da fruta é obtido, podem resultar em variações no conteúdo de nutrientes do subproduto final. Para a produção de ração animal, o bagaço, a casca, a polpa, além das correntes resultantes da clarificação, pulp-wash e do segundo Finisher na produção de óleos essenciais são misturados com cal, prensados e enviados para um secador.

Em seguida, o material é peletizado em extrusoras para a sua compactação e, por fim, estocados em silos para futura comercialização. Em nossa empresa todo esse material orgânico só será misturado na caixa de bagaço a fim de venda-la como matéria-prima para uma indústria de ração animal.

Um comentário:

  1. Excelente texto, eu que sou de Matão, onde temos 3 das 4 maiores produtoras de mundo nunca pensei em tal matéria, PARABÉNS.

    ResponderExcluir