quinta-feira, 28 de maio de 2015

ENTREVISTA COM O ENGENHEIRO QUÍMICO JOÃO PEDRO ALMEIDA

(Texto enviado pela Representante Beta EQ, Raisa Sant'Ana)

Nome: João Pedro Almeida
Idade: 24 anos
Formação: Engenheiro Químico sem especialização
Empresa que trabalha: UOP, A Honeywell Company
Tempo de atuação na empresa: 1 ano e 10 meses

  • Qual o ramo e principais atividades da empresa? A UOP é um dos maiores licenciadores para as indústrias de refino de petróleo, processamento de gás, produção petroquímica e outras grandes indústrias manufatureiras. 85% dos detergentes biodegradáveis, 70% do poliéster e mais de 60% da gasolina produzida no mundo são feitas com as tecnologias da UOP.
  • Qual o seu setor/departamento/atividade na empresa? O departamento que trabalho chama-se FOS (Field Operating Service). Eu sou um Process Advisor e possuo a função de prestar suporte ao cliente durante a fase de comissionamento (check-out e startup) assim como a operação (depois que o startup for concluído) de uma unidade licenciada pela UOP, visando garantir que a unidade irá performar  da maneira acordada no termo de garantia.
  • Qual a importância do engenheiro na sua empresa? O engenheiro é uma função vital dentro da UOP, pois a atividade fim da empresa consiste em desenvolver processos de transformação. Engenheiros são requeridos tanto na fase de desenvolvimento de uma nova tecnologia (laboratório e planta piloto) quanto na fase de design e comissionamento (cálculo de novas unidades e inspeção no campo).
  • Há processos seletivos pra estagiários ou graduandos na UOP?  Para informações relacionadas à vagas, acessar : http://www.careersathoneywell.com/en/home.
  • Na sua opinião, a criação das “novas engenharias” como petrolífera, ambiental e alimentícia exercem influências nas contratações de engenheiros químicos, já que estes cursos são ditos como “específicos” nos campos de atuação do engenheiro químico? Eu acho que sim, exerce certa influência. Como não trabalho em RH nem tenho dados sobre números de formados e vagas preenchidas em cada área, é difícil analisar o grau de influência. Eu acredito que, dependendo da política da empresa, algumas das vagas para engenheiro ambiental e petrolífero sejam preenchidas por engenheiros químicos em virtude da formação mais ampla.

        O Projeto Beta EQ agradece a disponibilidade do Engenheiro Químico João Pedro ao nos ceder esta entrevista. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário