quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

A ENGENHARIA DE MATERIAIS E SUAS POSSIBILIDADES

(Texto enviado pelo Trainee Beta EQ e estudante da Newton Paiva, Thiago Faria)

Acredito que, para muitos colegas da Engenharia Universal, a escolha de uma especialização acontece de maneira natura, no decorrer da graduação, dentro de um estágio, iniciação científica ou mesmo durante um intercâmbio estudantil, tornando esse longo processo de formação uma tarefa mais prazerosa, dado o direcionamento para o futuro profissional já estabelecimento. No meu caso, essa escolha foi construída bem antes do início de minha graduação, em virtude das experiências profissionais pelas quais já passei e pelo contato prévio com alguns Engenheiros Químicos que já atuaram ou atuam nesta área, que também possui um bacharelado independente: A Engenharia de Materiais. Polímeros, cerâmicos e ligas metálicas são algumas das muitas opções de atuação do profissional desse segmento, bem como inúmeros outros.


No contexto histórico, os estudos e aplicações envolvendo materiais e suas propriedades datam de épocas antigas, propiciando grandes avanços à humanidade. Cerâmicos datados aproximadamente do ano 28.000 a.C., foram encontrados na região da Moravia, que corresponde hoje a parte oriental da República Checa, mostrando os primórdios do processamento destes materiais. Em relação a processos metalúrgicos, podem ser citados como grandes marcos, as primeiras atividades de processamento do cobre substituindo as ferramentas de pedra, por volta do ano 8000 a.C. e também uns dos primeiros registros da metalurgia extrativa, no qual o povo da atual Turquia descobre a extração do cobre líquido a partir dos minerais malaquita e azurita em meados 5000 A.C. Diversos outros importantes marcos na história envolvendo o descobrimento e uso de materiais tais como introdução do vidro, creditada ao povo do atual noroeste do Irã por volta de 2.200 a.C., a invenção do concreto moderno pelo engenheiro civil inglês John Smeaton em 1755, dentre muitos outros, exemplificam o relevância e importância desse ramo da ciência e engenharia.


Para os estudantes interessados nessa área, à nível mundial as Universidades Americanas da Califórnia, Stanford, o renomado Massachussetts Institute of Technology (MIT) e as britânicas Cambridge e Imperial College of London lideram o ranking das melhores nos cursos de ciência dos materiais. Para ingressar nestas são necessários a realização de exames de proficiência na língua inglesa, cartas de recomendação, um histórico acadêmico de excelência, dentre outras exigências específicas de cada instituição. 

No Brasil, 29 instituições de ensino superior ofertam cursos de pós-graduação reconhecidos e recomendados pelo CAPES (Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior), com destaque para UFRGS, UFSCar, USP, UFRJ e UFMG, detentoras dos maiores conceitos de avaliação.A associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração também cursos de pós-graduação lato sensu em parceria com universidades renomadas como a UFOP, PUC MINAS e Mackenzie.

O mercado para o Engenheiro de Materiais é aberto em praticamente todos os países do mundo, tendo em vista que a demanda por materiais mais eficientes, com menor impacto ambiental e de custo reduzido é a tônica do mercado mundial. No mercado nacional, a região sudeste concentra o maior número de oportunidades. Empresas como a Magnesita (refratários), Usiminas, Vallourec, Gerdau Açominas, ArcelorMittal (metalurgia), Cimentos Liz, Lafarge, Holcim,(cimenteiras), Vale, Votorantim, CSN, Anglo American, Anglo Gold (mineração) são alguns dos bons exemplos de indústrias para atuação deste profissional em Minas Gerais. O polo petroquímico do Rio de Janeiro e as diversas indústrias de plásticos, cerâmicos e de metalurgia do estado de São Paulo são outros exemplos de bons mercados profissionais para este profissional. No nordeste, o polo industrial de Camaçari, localizado no estado da Bahia é também uma boa opção para os Engenheiros de Materiais. Tal profissional encontra ainda oportunidades em todo o país na indústria da construção civil.


As opções são muitas, tanto nas áreas de conhecimento, quanto atuação, dentro da Engenharia e Ciência dos Materiais, portanto basta ao profissional pesquisar e buscar a opção que melhor se encaixe em suas perspectivas. 

Referências:
The Minerals, Metals & Materials Society. The Greatest Moments in Materials Science and Engineering.
Disponível em: <http://www.materialmoments.org/vote.html>. Acessado em: 06 de fevereiro de 2015.

Fundação Capes. Ministério da Educação. Relação de cursos recomendados e reconhecidos. Disponível em: <http://conteudoweb.capes.gov.br/conteudoweb/ProjetoRelacaoCursosServlet?acao=pesquisarIes&codigoArea=30300002&descricaoArea=&descricaoAreaConhecimento=ENGENHARIA+DE+MATERIAIS+E+METAL%DARGICA&descricaoAreaAvaliacao=ENGENHARIAS+II#>. Acessado em: 06 de fevereiro de 2015.

Fundação Lemann. Como funciona o processo seletivo para as universidades? Disponível em: <http://www.fundacaolemann.org.br/fellowship/faq/>. Acessado em: 07 de fevereiro de 2015.
Vagas. Mercado aquecido para o Engenheiro de Materiais. Disponível em:      <http://www.vagas.com.br/profissoes/carreiras/engenhariademateriais/engenheiro-de-materiais/>. Acessado em: 07 de fevereiro de 2015.

Associação Brasileira de Metalurgia. Materiais e Mineração. Cursos de Pós-Graduação ABM. Disponível em: http://www.abmbrasil.com.br/cursos/curso_pos_graduacao.asp Acessado em: 09 de fevereiro de 2015.

Jornal da USP. Lorena e suas pesquisas na área de fusão nuclear. Disponível em: < http://www.usp.br/jorusp/arquivo/2008/jusp833/pag02.htm> Acessado em: 09 de fevereiro de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário