quinta-feira, 27 de novembro de 2014

[II SBEQ] BENCHMARKING PESSOAL: CONSTRUINDO O ENGENHEIRO QUÍMICO DO FUTURO - KAIQUE SANTOS TEIXEIRA (BETA EQ)

Benchmarking, no mundo empresarial, implica em comparar o que os outros realizam com eficiência em relação ao que sua empresa está fazendo, para detectar quais elementos emprestados produzirão a melhoria desejada. Um exemplo é o caso pioneiro da Xerox, relatado por John Fisher, em seu livro "Benchmarking para otimizar o desempenho" (ed.Clio).


Na década de 70, Bob Camp percebeu o declínio do quase monopólio da Xerox Corporation na venda de copiadoras. Examinaram-se todos os aspectos desse complexo mix de processos: preço, qualidade do serviço, fabricação, marketing, distribuição. Dentro deste último, a Xerox comparou seus métodos operacionais com: a 3M, a Ford, a Volvo e a IBM. No final, identificou, entre outros pontos: um escalão extra de estoque que aumentava o número de procedimentos para entrega, um fluxo de informações mais lento e a inexistência de representante de logística na direção da empresa. 

Exemplos como esse constituem uma ferramenta muito útil para demonstrar a necessidade de agir. Agora, e se trouxermos essa técnica para o crescimento individual de cada profissional? Como poderia ser feito o benchmarking? Veja algumas dicas: 

1) Decida o que você vai submeter ao benchmarking –  seu grau de iniciativa, seu currículo, sua capacidade de tomar decisões ou até mesmo a conduta profissional diante de questões polêmicas.

2) Identifique quem – determine quais profissionais que tem performance de trabalho superior que você admira e procure saber o que eles pensam, leêm ou escrevem Se possível, faça contatos diretos, converse, pergunte (ou, ainda, pesquise a vida de uma figura histórica). 

3) Reúna as informações e dados coletados - documente as melhores práticas encontradas. 

4) Compare – especifique os diferenciais de desempenho. 

5) Tenha objetivo – estabeleça metas e mudanças de atitudes, projetando níveis futuros de desempenho. 

6) Fiscalize-se – acompanhe e monitore os progressos a ser atingidos, aplicando sempre ações corretivas.

É comum encontrarmos três tipos de benchmarking:

Benchmarking interno: onde a comparação dos processos e condutas são realizados entre os departamentos de uma mesma empresa ou entre as organizações de um mesmo grupo. Esse modelo é o mais fácil de ser aplicado;

Benchmarking competitivo: o foco é a concorrência direta, tentando superar a qualidade de produtos e serviços oferecidos por ela. Método de difícil execução devido à dificuldade em se obter as informações desejadas;

Benchmarking multisetorial: a comparação é feita usando empresas de ramos diferentes, o foco é nos processos em comum.  Por não ser concorrente direta a troca de informações é facilitada.

A partir de TODOS esses conceitos você pensaria em fazer seu benchmarking pessoal? O objetivo seria a melhoria de desempenho nas atividades executadas em nosso trabalho e um momento para refletir sobre como nossa vida profissional é conduzida. Pode-se também usar essa ferramenta como um sinalizador de pontos fracos que precisam ser melhorados.

Para  usar o benchmarking em sua vida pessoal é preciso seguir alguma etapas:

  • Defina os objetivos a serem atingidos e a escolha do que pretende analisar, como por exemplo, definir quais são os pontos falhos que impedem uma possível mudança de cargo. Devo analisar meu aporte de conhecimentos técnicos e minhas habilidades comportamentais;
  • Recolha os dados por escrito. Tanto as informações relativas a você os dados disponíveis sobre as pessoas que você julga ter melhor desempenho que o seu têm que ser reunidos. As informações colhidas junto a essas pessoas servirão como referência para você, como o currículo, as premiações de funcionário destaque etc. Mesmo as biografias de grandes profissionais podem ajudar você a trilhar um caminho diferente;
  • Agora é o momento da análise das informações recolhidas para encontrar as diferenças de desempenho e os fatores responsáveis pela performance satisfatória dos indivíduos analisados;
  • A última etapa diz respeito a estabelecer metas pessoais buscando fortalecer os pontos deficientes e aprimorar o desempenho diário.
  • Usar o benchmarking como ferramenta para analisar seu desempenho profissional é mais uma oportunidade para você se conhecer melhor e trazer à tona suas possibilidades. Talvez seja o primeiro passo para romper a inércia e partir para a construção de dias mais estimulantes.
Seguem, na minha visão, as principais referências da Engenharia Química:
  • Giulio Massarani
  • Claudia Sender
  • Graça Foster
  • Fábio Bentes Freire
  • Carlos Augusto Perlingeiro
  • Martin Schmal
  • Remolo Ciola
  • Dilson Cardoso
  • Alberto Luiz Coimbra
Durante a minha palestra Benchmarking Pessoal: "Construindo o engenheiro químico do futuro" busco retirar as principais características dessas e de outras personalidades de nosso curso em busca da perfeição como profissional de Engenharia Química.

Espero de coração que todos estejam gostando da II SBEQ! Para levar essa e outras palestras Beta EQ para seu evento, entre em contato conosco pelo e-mail betaeq@outlook.com

Abraços a todos

Um comentário:

  1. Mandou muito bem nesse texto man! Você é um dos meus bench contínuos e tá dando certo demais :D

    Tá um sucesso essa SBEQ

    ResponderExcluir