segunda-feira, 11 de agosto de 2014

DESENVOLVIDA MEMBRANA SEMIPERMEÁVEL QUE PODE FILTRAR A ÁGUA DO MAR

(Texto enviado pelo Representante Beta EQ e estudante da UFRuralRJ, Mateus Almeida)

Recentemente, foi desenvolvido pelos pesquisadores do departamento de Química da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP), um filtro que é capaz de separar o sal da água do mar. Se trata de uma membrana semipermeável feita de folhas poliméricas com minúsculos poros (medida compatível com o tamanho da molécula de água e gás carbônico), sendo assim considerado um nanofiltro.


Segundo o pesquisador da USP, a membrana pode ser feita com três tipos diferentes de polímeros: o Poliuretano (PU), Policloreto de Vinila (PVC) ou Fluoreto de Polivinilideo (PVDF), sendo estes plásticos com características mais flexíveis.

São os poros que ficam responsáveis pela retenção do sal. “Para fazer os poros, incluímos uma classe de moléculas conhecida como ‘cavitandos’ na matriz do polímero. Esses cavitandos são estruturas com uma cavidade central que permitem o trânsito de moléculas pequenas como a água por seus lúmens. Na filtragem da água do mar, o sal fica retido nessas estruturas”, explica o professor Gregóire Jean-François Demets.

Com a utilização dessa membrana, acredita-se que os custos são baixos e o processo é simples, não sendo necessária uma troca de fase para remover a água, nem obrigar o processo a ter uma fonte de fluxo ou equipamento auxiliar como aquecedores, evaporadores ou condensadores.

O processo de patente já foi realizado pela Agência USP de Inovação, e agora o que se espera é que todo esse trabalho tenha continuidade e venha a se transformar em uma solução concreta para esse problema da água hoje, que é de escala mundial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário