terça-feira, 29 de julho de 2014

30 ANOS DA IMPRESSORA 3D

(Texto enviado pela Representante Beta EQ e estudante do IFSul, Natali Tajes Cardozo)

Em 1984, Chuck Hull criava a primeira impressora 3D que revolucionaria nossos conceitos de impressão. Funcionando a vapor, a impressora foi criada nos Estados Unidos através da estereolitografia (tecnologia comum para manufatura e prototipagem rápida), ela era aplicada na criação de lâmpadas para solidificação de resinas, esse foi o primeiro uso da impressora 3D, que já se mostrava flexível e rápida.


De objetos simples, como um brinquedo, até os mais complexos, como órgãos, tecidos, remédios, vacinas, a manufatura aditiva completa 30 anos em 2014, quem diria? Essa inovação trouxe mais facilidade e acesso a objetos que levariam muito tempo para ser feito, diminuindo a espera.

Vamos conhecer então como funciona essa “novidade” (não tão nova assim): Para imprimir algo, é preciso ter o modelo em 3D do que será impresso, isso pode ser feito em softwares como o AutoCAD, Sketchup, entre outros. Após o desenho do objeto desejado, ele tem que ser inserido no software da impressora e suas dimensões devem ser definidas e então os dados serão compilados e esquematizados em várias camadas, essas informações são enviadas à impressora que inicia o processo, assim sendo, quanto mais informações a impressora receber, mais demorada será a impressão.

Existem várias métodos de formação do objeto:

-FDM (Fused Deposition Modeling): É a mais tradicional, consiste na sobreposição de camadas de polímeros, possui um bico extrusor onde sai o polímero derretido. Essas camadas são coladas por um cartucho especial de cola. A cor pode ser escolhida entre 5 opções, algumas translúcidas, mas é aplicada em toda peça.

-Color Jet Priting: Utiliza jatos do material em pó por meio de cartuchos de impressão, o material é unido através de outro cartucho que contém cola. Existe, também, cartuchos que utilizam fotopolímeros líquidos que são tratados por luz ultravioleta, que permite a utilização das cores preta e branca para formação de tons de cinza, utilizados em eletrodomésticos. Ela permite a
aplicação de finalização colorida nos objetos. É a tecnologia de impressão 3D mais rápida que existe.

-SLA (Stereolithography - microfabricação 3D em gel): Um laser solidifica um líquido com diferentes tipos de composição e diversos reagentes químicos. O resto do material que não foi tratado, no final, é simplesmente lavado, se desprendendo do resto do objeto. Esse método permite a confecção de peças inferiores a 100 nm.

-SLS (Selective Laser Sintering): Nesse processo, o material (metal,cerâmica, vidro, plástico, nylon), é derretido até o ponto de injeção, onde as peças são formadas. É tratada por altas temperaturas, portanto o objeto é depositado em uma câmara com água para ser finalizado.

Cada impressora possui suas vantagens e desvantagens, portanto é essencial se conhecer as características que você deseja que o produto final tenha. O tempo de impressão depende diretamente do tamanho do objeto que você deseja imprimir, pode variar de alguns minutos até algumas horas. O custo dessa tecnologia gira em torno de R$3.000,00, isso possibilita que, além das indústrias, a impressora tridimensional possa chegar até as residências.

Uma das limitações dessa tecnologia é a fraca ligação entre as camadas impressas. Um estudante de Engenharia Química do Texas Tech, Brandon Sweeney, indica nanotubos de carbono (CNT) para resolver esse problema. Através da forma como eles estão ligados e pelo seu pequeno tamanho, os nanotubos de carbono, são mais fortes que o aço, mais condutores que o carvão e respondem a energia das micro-ondas: ele se misturará com o objeto se aquecido, isso pode fortalecer as peças impressas em 3D.

Já é possível imprimir próteses humanas, comida, órgãos, ossos, remédios, roupas, vacinas. Essa modernização vem ampliando e auxiliando nas indústrias e na medicina, onde mais se vê aplicações, o que se esperaria semanas para chegar a um hospital, pode ser feito na hora sob medida. O mesmo acontece com a indústria que está em constante movimento, peças exclusivas de maquinários, quando danificadas, podem ser feitas na hora, sem dificuldade.

Referências:

http://www.terra.com.br/noticias/tecnologia/infograficos/impressao-3d/como.htm - acesso em 18/07/2014 

http://www.tecmundo.com.br/impressora/2501-como-funciona-a-impressora-3d-.htm - acesso em 18/07/2014

http://www.tecmundo.com.br/impressora/20601-nova-impressora-3d-cria-objetos-em-escala-nanometrica-video-.htm - acesso em 19/07/2014

http://blog.render.com.br/diversos/impressoras-3d/ - acesso em 19/07/2014 

http://www.engenhariahoje.com/noticias/inovacao/saiba-como-surgiu-a-impressora-3d - acesso em 18/07/2014

http://super.abril.com.br/tecnologia/revolucao-impressoras-3d-733010.shtml http://blog.cliever.com.br/?p=88 - acesso em 19/07/2014

http://www.industryweek.com/technology/take-5-qa-chuck-hull-co-founder-3d-systems - acesso em 20/07/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário