quarta-feira, 19 de março de 2014

ENGENHO NUNES E GÓES - ENTREVISTA PROFESSOR JOÃO NUNES DE VASCONCELOS

O Engenho Nunes e Góes é uma empresa oriunda do ambiente universitário proveniente de 10 anos de pesquisa com produção de cachaça artesanal de excelente qualidade com armazenamento em barris de variados tipos de madeiras como carvalho, jequitibá, castanheira, jequitibá e umburana.


Projeto idealizado pelo Professor João Nunes de Vasconcelos, é notório o quanto o profissional acadêmico pode ser também um ótimo empreendedor! O Professor João Nunes é Engenheiro Químico e possui Mestrado e Doutorado em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos, ambos pela UFRJ.

Atualmente, é Professor Associado da Universidade Federal de Alagoas possuindo vasta experiência em Processos Industriais de Engenharia Química, atuando principalmente nas temáticas: fermentação alcoólica, derivados da cana-de-açúcar e a saccharomyces cerevisiae.

Vamos acompanhar uma entrevista exclusiva com este ilustre professor!

Beta EQ.: Como foi seu ingresso na universidade? Já optou diretamente pela Engenharia Química?

J.N.: Ingressei na Universidade Federal de Sergipe, em 1973, via vestibular, tendo como primeira opção a Engenharia Química, que era realmente o curso que eu queria.

Beta EQ.: Como o senhor definiria sua vida acadêmica quando aluno? Envolvia-se em projetos de pesquisa, atividade extras, etc?

J.N.: Na minha época de estudante, nas universidades de pequeno porte, como era o caso da Universidade Federal de Sergipe, não era comum a realização de pesquisas (existiam poucos Doutores) e, desta forma, me envolvi com monitoria, que era muito valorizada na época. Fiz muitos cursos de curta duração, como atividades extra-curriculares.

Beta EQ.: Quando terminou a graduação já tinha traçado novos planos? Qual foi o próximo passo (mestrado, mercado de trabalho, etc.)?

J.N.: Quando terminei a graduação, os planos eram arranjar um bom emprego e desenvolver atividades como Engenheiro Químico. No primeiro emprego, minhas atividades na empresa foram Pesquisa e Desenvolvimento e, paralelamente, ministrando cursos promovidos pela própria empresa e professor de graduação na Universidade Federal de Alagoas - Ufal (convênio da Ufal com a empresa em que trabalhava), tendo me identificado com ensino, pesquisa e desenvolvimento.

Beta EQ.: Sempre pensou em lecionar? Como foi seu ingresso como docente na UFAL? E quais as mudanças que o senhor tem notado na universidade nos últimos anos?

J.N.: Durante o curso de Graduação, lecionei Química no ensino médio (na época era denominado de científico) e me identifiquei com o magistério. Em 1989 ingressei como Professor concursado na Ufal (já com Mestrado), onde permaneço até os dias atuais. Fiz o Doutorado e venho, desde a citada data, desenvolvendo atividades de ensino, pesquisa e desenvolvimento de novos processos, na área de Engenharia Bioquímica, com foco em processos fermentativos industriais, sendo detentor de três patentes e uma quarta em fase final de avaliação pelo INPI.

Nos últimos anos, a Ufal alcançou progressos consideráveis, aumentando o número de doutores e, como consequência, o volume de pesquisas e publicações científicas. Houve também aumento considerável do número de cursos de Graduação, Mestrado e Doutorado, proporcionando, além da qualificação da mão-de-obra para ensino e pesquisa, melhora qualitativa e quantitativa das pesquisas e publicações da Ufal.

Beta EQ.: Como surgiu o lado empreendedor do Professor João Nunes?

J.N.: Comecei desenvolvendo pesquisas com produção artesanal de cachaça em alambique de cobre, envolvendo aulas práticas, Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC’s, trabalhos de Iniciação Científica, de Iniciação Tecnológica, de Mestrado e de Doutorado. A cachaça produzida era envelhecida em barris de diversos tipos de madeira e, após o período de envelhecimento, distribuía amostras para degustação, de forma gratuita e espontânea, ouvindo os comentários sobre os diversos sabores das cachaças e aprimorando o processo de envelhecimento. Como o desenvolvimento tecnológico já estava pronto, resultado de mais de 10 anos de pesquisa, surgiu a motivação para a criação de empresa incubada, vinculada à Incubadora de Empresas de Alagoas – INCUBAL, da Ufal.

Beta EQ.: Poderia nos falar um pouco sobre o Engenho Nunes?

J.N.: Nossa empresa, a Nunes & Góes Bebidas Destiladas (www.nunesegoes.com.br), surgiu após 10 anos de pesquisa com produção e envelhecimento de cachaça em barris de diferentes tipos de madeira (Bálsamo, Carvalho, Castanheira, Ipê, Jatobá, Jequitibá, Peroba, Timborana e Umburana), realizando Trabalhos de Conclusão de Curso, de Iniciação Científica, de Iniciação Tecnológica, de Mestrado e de Doutorado. A empresa comercializa no Estado de Alagoas, Cachaça envelhecida em barris de Carvalho, Castanheira, Jatobá, Jequitibá e Umburana, em embalagens de vidro de 50 mL, 160 mL e 700 mL. Já está presente em Sergipe, Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Paraná. Pesquisa e inovação são os pontos fortes, com a realização de pesquisas com o apoio de estudantes de Engenharia Química (Iniciação Científica, Iniciação Tecnológica, Mestrado e até de uma Tese de Doutorado).

Beta EQ.: Na sua opinião, quais os fatores indispensáveis para ser um empreendedor na área de Engenharia Química?

J.N.: Ter espírito empreendedor. Disposição para o trabalho, conhecimento profundo do negócio a ser criado e disposição para o risco (risco planejado e com certo conhecimento das possibilidades de erros e acertos). Não ter medo de errar, pois se aprende, em muitos casos, mais com os erros do que com os acertos. Criar, preferencialmente, produtos diferenciados da concorrência, com diferencial tecnológico. Observar a concorrência, participar de congressos e feiras na área. Inovar sempre.  Em resumo, se o empreendedor criar um produto diferenciado, as chances de sucesso serão grandes. 

Beta EQ.: Quais as dicas que o senhor pode dar para esta nova geração de Engenheiros Químicos que em breve estarão inseridos no mercado?

J.N.: Dedicação, responsabilidade, ética pessoal e profissional, buscar sempre novos conhecimentos na área de atuação. 

Nossos agradecimentos ao Professor João Nunes de Vasconcelos pela disponibilidade e inspiração para estes jovens estudantes!


Uma trajetória para muitos futuros engenheiros se espelharem! Sucesso pessoal!

Nenhum comentário:

Postar um comentário