sexta-feira, 21 de março de 2014

AS COMPANHIAS ESTÃO DE OLHO - COMO TIRAR VANTAGENS DAS REDES SOCIAIS?

Que todo mundo adora e vive acessando o Facebook, Twitter, LinkedIn entre outras redes sociais é fato. Mas você sabia que você pode usar as mesmas para trazer vantagens na hora de uma seleção de estágio/emprego? 

Sim, atualmente muitas empresas têm usado os sites de relacionamento para avaliar se os candidatos têm o perfil adequado para fazer parte do seu quadro de funcionários. De forma natural, os empregadores precisam de saber a experiência profissional e acadêmica dos futuros funcionários, mas a tendência que surgiu nos EUA, (como revelou o jornal "The New York Times"),está invadindo os RH's do Brasil, com os empregadores a exigirem que os funcionários “passem num teste” ao seu passado nas redes sociais.

Darei dicas sobre como redes sociais podem ser usadas, por exemplo, para divulgar sua imagem, construir networking e demonstrar o domínio sobre determinados temas.

Empregadores x Redes Sociais


Em entrevista ao G1, o estrategista em marketing Gabriel Rossi afirma que o comportamento nas redes sociais conta no momento da seleção do candidato, além de todos os tradicionais requisitos procurados pelas corporações como experiência, dinamismo e segundo idioma.

“A aferição de perfis em redes sociais já virou hábito de setor de recursos humanos em grandes empresas. E há até casos de companhias que pedem para que os candidatos enviem os links de seus perfis nas redes sociais junto com o tradicional currículo. É aí que está a importância de pensar antes de incluir algum comentário no Linkedin, Facebook, Twitter, Orkut ou até mesmo fotos no Instagram. As empresas avaliam a postura, gostos e comportamento geral dos candidatos”, diz.

Confira a seguir alguns conselhos para tirar proveito das suas redes de relacionamento e para potencializar suas chances de conseguir aquele estágio/emprego que tanto almeja:

  • Evite falar mal dos antigos colegas de trabalho, do ex-chefe ou da empresa na web. Isso demonstra falta de ética, de respeito e de profissionalismo, mesmo que você tenha razão em sua reclamação.

  • Recomenda-se que as questões pessoais fiquem restritas ao Facebook e profissionais ao LinkedIn e Twitter, por exemplo.

  • Siga as empresas de interesse no Twitter, curta suas páginas no Facebook, pois assim você fica sabendo mais sobre o perfil da empresa, o que também conta pontos na hora de uma entrevista com o futuro empregador. Além disso, você pode ficar sabendo de novos processos seletivos e cursos oferecidos pelas empresas.

  • Construa sua imagem pessoal! Pense no seu nome fosse como um 'produto', ou 'marca', que você tem que realçar seus pontos positivos e passar uma boa imagem. Qualquer profissional de RH um pouco mais atualizado tem como buscar seu nome no Google  ou nas redes de relacionamento. Então, por que você não começa fazendo esse exercício e analisando os resultados de busca e das redes sociais?

  • Use o Twitter, por exemplo, pra adquirir mais informações sobre sua área de atuação e assim ficar sempre atualizado.

  • Produza conteúdo sobre sua área de interesse, essa é uma boa técnica, pois principalmente divulga o seu nome e gera links para o seu site pessoal ou principal rede social. Por exemplo: suba para uma rede de conteúdo (Scribd, Slideshare, Issuu, entre outras) o seu TCC ou uma apresentação que tenha feito sobre a área, deixando claro seu nome, data de apresentação e seus contatos. Não esqueça de 'taggear' tudo usando as palavras-chave correspondentes.

  • Faça uma análise fria do seu perfil, fotos compartilhadas e comunidades onde interage. “Diga-me o que postas, e eu te direi quem és”.

  • Não curta pages como “Pessoas que odeiam trabalhar”, “Preguiça sempre” ou publique fotos da choppada em que você aparece 'trêbado'. Frases de ódio, preconceito ou qualquer coisa que possa denegri-lo também não devem fazer parte dos seus comentários ou tweets.


Tenha sempre em mente que para uma empresa, você é o seu nome, e que é sempre bom atrela-lo a uma imagem positiva de responsabilidade, conhecimento e inovação

Nenhum comentário:

Postar um comentário