segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

ESCRITORES DE TUDO QUE AINDA SERÁ DITO (COMEMORAÇÃO DO ANIVERSÁRIO BETA EQ)

Como escreveu Cândido Portinari, renomadíssimo pintor brasileiro (1903-1962):

"Quanta coisa eu contaria se pudesse
Se soubesse ao menos a língua como a cor."

           Nesse trecho fica claro que, até mesmo para Portinari, que se aventurou na escrita e criou poemas como "O Menino e o Povoado", "Sobressalente" e "Respirar", a escrita não era algo tão intuitivo ou presumível. Talvez, para ele, pintar fosse seu dom natural, aquilo que ele conseguia expressar o que pretendia e por isso reconheceu que a escrita ficava devendo um pouco. Ela seria, portanto, seu desafio, sua vulnerabilidade - o que não o impediu de continuar escrevendo e criando obras belíssimas.


            O que teria feito Portinari se aproximar da escrita mesmo sabendo que poderia não correspoder às suas próprias expectativas? Eu diria que há um caminho, ou melhor, há um impulso, um movimento quase irracional motivado pelo desejo de fazer, e fazer igual àquilo que, quando lido, provocou tanto prazer. O prazer de ler. Escrever é querer satisfazer um desejo interior de expressar o que tanto se leu. E a nossa sorte é que, nesse mundo informatizado e global, existem infinitas possibilidades de expor nossa escrita e canais que publicam obras dos mais variados tipos, desde blogs pessoais até jornais internacionais.

            Para comemorar o Aniversário do Beta EQ, uma fonte inegável de informação que possibilita estudantes de engenharia do Brasil inteiro desbravarem sobre o seu próprio curso, seria apropriado deixar uma mensagem de motivação, para leitores e escritores desse blog: Para ser escritor, é preciso permitir que isso te transforme em todos os níveis. Trate a escrita como uma ferramenta de transformação, e a deixe transformá-lo também. E lembre-se que ela só não consegue expressar aquilo que não foi dito ainda.


Feliz Aniversário, BETA EQ!

Nenhum comentário:

Postar um comentário