domingo, 22 de junho de 2014

O PREÇO DE CURSAR ENGENHARIA QUÍMICA

Como ingressar num curso de Engenharia Química, em uma boa universidade, sem um ótimo curso pré-vestibular? Como cursar o mesmo sem um notebook ou tablet? Como não comprar uma calculadora gráfica HP 50g ou uma Texas Instrument

Não há como negar que o preço de cursar Engenharia Química para um estudante é alto e sem políticas e ações que proporcionem facilidades financeiras, fica difícil lutar contra desigualdade em nosso meio. Uma CASIO e uma HP/TI podem garantir sim uma aprovação ou reprovação em determinada matéria.

Admitindo essas premissas como verdadeiras, cabe aqui uma reflexão: será que os discentes, docentes e coordenadores dos cursos de Engenharia Química espalhados pelo país estão fazendo o bastante para combater tal disparidade?

Não há nada mais inspirador do que ver um professor disponibilizando seu trabalho, livro, estudo a toda comunidade acadêmica e profissional de nosso curso. Todavia, ainda existem professores que sequer disponibilizam, a seus estudantes, os slides apresentados em sala de aula.

Os Diretórios e Centros Acadêmicos de Engenharia Química são, formalmente, a voz estudantil. As principais reivindicações pela melhoria de ensino devem partir, fundamentalmente, desses meios. Não obstante, nada impede que um simples estudante busque soluções para o incremento científico de seu curso.

Enxergo, com clareza, que um bom exemplo dessa melhoria deva ser a substituição dos softwares de alto custo. O ensino que sempre girou em torno deles deve ser adaptado aos softwares gratuitos de livre acesso. Para que essa ação seja plenamente executada, os docentes da área devem se atualizar em busca dessas facilitações.

Cursar Engenharia Química é uma honra e um privilégio. A gama de opções relativas a nossa inserção no Mercado de Trabalho é gigantesca. Para isso, busca-se, por cinco anos, a excelência do aprendizado. Em conjunto a reclamações efetivas sobre como é realizado o investimento governamental em nossas universidades, podemos melhorar e popularizar as condições de ensino com pequenas e simples atitudes. Dê o primeiro passo. 

10 comentários:

  1. "Uma CASIO e uma HP/TI podem garantir sim uma aprovação ou reprovação em determinada matéria." ?????????????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estude cálculo com e sem uma HP, se não notar a diferença significativa, é porque você está não aprendeu a utilizar os recursos de uma HP!!!

      Excluir
    2. Pros Calculos (1, 2, 3 e 4) nós nem podemos usar calculadora cara, e temos q passar de qqr maneira. Mas calculos eh possivel passar sem calculadora.
      Agora a diferença entre ter uma Casio e uma HP é sentida em materias especificas do curso (ao menos para mim). Ter a HP facilitou mtas coisas pra mim.

      Excluir
    3. Anônimo, você consegue resolver dezenas de interações numéricas em tempo de prova? Porque eu não.

      Excluir
    4. Eu estudei calculo e equações sem hp. Eu até tinha uma mas nem poderia usar. E pelo menos nos calculos que eu tive, nunca resolvi dezenas de intereções numericas. A maioria das resoluções eram analiticas, pelo menos em calculo. E vejam bem o que o texto fala: que a calculadora pode garantir uma aprovaçao. Se isso é verdade, sinto muito, mas ninguem aprendeu nada. E outra, deixem de ser exagerados, nenhum professor nunca me cobrou uma hp, nunca cobrou laptop, nem no Brasil e nem fora.

      Excluir
  2. Parabéns pelo texto Kaique. Traduz exatamente o que vivemos.

    ResponderExcluir
  3. Na minha visão, a diferença instrumental traduz um diferencial significativo entre estudantes que venham a realizar determinada prova. A economia de tempo e a precisão nos métodos iterativos contribuem muito para isso.

    Todavia, como salientado, o texto é opinativo. E o simples fato de ocorrer um debate sobre o mesmo, traduz o real motivo da veiculação do mesmo. Precisamos discutir e propor melhorias de ensino.

    ResponderExcluir
  4. Apesar do problema apresentado não parecer tão desafiador, olhando em escala mais "global" podemos sim ver um grande problema. As dificuldades que o curso oferece parecem ser muitas, e o combate a elas muito dispendioso. Acabamos ficando tão presos a luta que esquecemos de cobrar das instituições(na maioria das vezes falta tempo) e com isso a situação não muda. Talvez pensar como um "organismo" seja mais importante, aí sim concordo plenamente com o autor:"podemos melhorar e popularizar as condições de ensino com pequenas e simples atitudes. Dê o primeiro passo."

    ResponderExcluir
  5. A Unioeste tem HPs 50g disponíveis para empréstimo na biblioteca.
    E, sim, é necessário e muito útil.

    ResponderExcluir
  6. Engraçado falar que incentivos os professores dão para continuar estudando Engenharia Química, eles querem mais é que você se foda... não dão a mínima noção de indústria, querem mesmo é que você não arrume um emprego e volte para universidade para ser um professor frustrado igual eles!

    ResponderExcluir